Arquivo da tag: Die Brucke

Negação Apaixonada da Modernidade

A deformação nas artes plásticas denotavam uma deformação moral da própria sociedade

criança sentada Heckel

criança sentada Heckel

O expressionismo é um movimento europeu, que possui suas raízes em dois outros  movimentos: o Fauvismo e o movimento alemão Die Brucke (“a ponte”). O Fauvismo foi um  movimento francês que se formou quase que simultaneamente com o Die Brucke, por volta de  1905. Os dois movimentos se opõem ao impressionismo, principalmente no que se refere ao  caráter quase que exclusivamente sensorial. Expressão é o contrário de impressão. Enquanto o  impressionismo tentava captar a realidade por estímulos sensoriais que vai do exterior para o  interior do indivíduo, o expressionismo buscava sua ordem inversa, queria expressar do interior  do indivíduo para o exterior.

nu Heckel

Nu - Erich Heckel

O Expressionismo alemão adota como ponto de referência a arte dos primitivos.  Observam nessa arte o trabalho humano em seu estado puro de criatividade. Posteriormente  essa tendência de valorizar a arte primitiva, infl  uenciaria o cubismo. Valorizavam a fealdade,  não que achassem belas, mas com a imagem partindo de um plano ideal e perfeito para um plano  real, se tornavam feias e perturbadoras. Não tinham a intensão de fazer com isso uma caricatura  da realidade. Buscavam uma poética do feio. O Feio nada mais é do que o belo decaído ou  degradado. Eles viam a sociedade como em estado de queda e degradação, algo muito pior do  que era para ser. Eles identifi  cam a burguesia como responsáveis pela falta de autenticidade da  vida social. Os artistas se declararam como trabalhadores braçais e homens do povo. Nietzsche 25 fala desse sentimento em seu postulado sobre a negatividade da história. Segundo Nietzsche, se  para existir é necessário querer existir, lutar para existir é prova de que existem forças contrárias  a sua existência. A existência é a autocriação da imagem individual e o sistema mecanicista  de trabalho é anticriativo, portanto destrutivo. Para Nietzsche, a industrialização acabaria por  destruir toda a sociedade, pois ela tiraria o sentido de trabalho do ser humano.  Por isso os  artistas expressionistas queria recomeçar do zero. Buscavam uma nova sociedade, baseada no  trabalho criativo e viam a arte como empenho para provocar mudanças sociais reais. Para eles  a arte era um dever social.

Cena-de-Rua-em-Berlim-Ernst-Ludwig-Kirchner

Cena de Rua em Berlim - Ernst-Ludwig-Kirchner

Essa preocupação com a revolução social é um ponto em comum com o Romantismo.  Entre o romantismo e o expressionismo há ligações muito profundas, ou nas palavras de Cláudia  Valadão “ligações subterrâneas”. A utilização de um caráter puramente subjetivo e a valorização  da visão individual, criam as ligações desses dois movimentos com um século de diferença. O  expressionismo pega emprestado o pessimismo romântico, mas sem deixar de lado a esperança  de uma sociedade melhor.  O romantismo havia inaugurando o pensamento antiaristrocrático,  mas de forma ainda lírica. O expressionismo deu continuidade a essa crise tomando decisão  real de ruptura, transformando isso em gesto e ação. Os antecessores desse movimento como  Van gogh, Munch e Gauguin, são repletos de histórias de evasão e suicídio. De fato eles viam  com olhos muito pessimistas a sociedade que se formava, mecanizada, apática e doente. A  deformação nas artes plásticas denotavam uma deformação moral da própria sociedade. Sob essa  ótica, diversos movimentos de vanguarda podem ser considerados os herdeiros do romantismo,  como o dadaísmo e o surrealismo. Pois no romantismo está essa gênese da negação apaixonada  da modernidade.

Homens de Artilharia

Homens de Artilharia - Ernst Ludwig Kirchner

Anúncios