Tendências anticlássicas na Alta renascença

A primeira pintura de grandes proporções com tendências anticlássicas foi a “fogo em borgo” de Rafael, pintada entre 1514 e 1517. O afresco mostra o incêndio no bairro de borgo em Roma. Segundo a lenda o incêndio teria sido apagado pelo papa com uma simples benção, configurando assim, um milagre. A realização do milagre pelo papa é representado na pintura em segundo plano, o primeiro plano é ocupado por figuras humanas em sofrimento pelo incêndio. Esse deslocamento de colocar as figuras principais fora do centro do quadro é uma atitude clara de anticlassicismo. Com isso, se modifica pela primeira vez o caráter lógico da pintura clássica de colocar no centro a figura principal da narrativa e estabelecer uma relação hierárquica de importância entre os outros elementos da imagem. As fortes figuras em primeiro plano na pintura em questão, servem apenas para mostrar os corpos anatomicamente bem estudados em poses decorativas que se mostram sem sentido com base na cena. O uso irrelevante das figuras humanas da a impressão de faz de conta como se o observador assistisse a uma peça teatral. A proporção das figuras em primeiro plano também denotam uma tendência antinaturalista portanto anticlassica. A criança, muito musculosa mais parece um anão. O que importa no quadro é a tensão dos músculos e não a real proporção entre as figuras.  O naturalismo foi parcialmente ignorado.

Pintura Fogo em Borgo do pintor Rafael

Pintura Fogo em Borgo do pintor Rafael

 

Um dos últimos quadros de Rafael também possuem características Maneiristas, “Transfiguração” encomendada em 1517. Acredita-se que foi desenhada por Rafael e pintada por um de deus discípulos. Na parte superior vemos cristo pairando no ar, e abaixo, aparece uma versão da história do menino possuído pelo demônio, como descritaem São Matheuse São Marcos. As duas metades são praticamente desconexas. O menino faz um gesto apontando para algo que não se sabe qual é, sendo um mistério para o observador. A ligação dessas duas histórias, que não se relacionam é o que dá o caráter anticlássico da imagem. É quase uma relação irracional. Hauser analisa “(..) ele adota uma perspectiva por demais externa, ao referir-se apenas a solene quietude do cenário celeste e a barulhenta turba do cenário terreno abaixo” (pag. 123).

A Transfiguração de Rafael. Pintura com características anticlássicas.

 

Embora Michelangelo tenha algumas características maneiristas principalmente no que se refere à construção de suas figuras humanas, com a valorização da musculatura, o que é típico de um desenho de memória e portanto foge um pouco do naturalismo clássico, não se pode defini-lo como maneirista. Na verdade encaixar seu estilo dentro de um movimento é extremamente complicado. Hauser identifica esse problema quando cita “Michelangelo, na verdade, nunca foi apenas um maneirista. Mas também nunca foi apenas um artista barroco ou um puro artista da Renascença. As várias características estilísticas aparecem sempre em sua obra numa forma mais ou menos transitória e mesclada, e os conceitos de Renascença ou do Barroco não esgotam mais a natureza de sua arte do que a do maneirismo” (pag. 129). Ele foi um artista ambíguo na questão de estilo, desenvolvendo características próprias e defini-lo em um movimento exclusivo seria diminuir sua grandiosidade. Mas de fato ele representa uma ruptura com a alta renascença. O tratamento de volume que ele dá as figuras mostra seu gosto pela distorção pelo expressionismo, onde beleza e feiúra caminham lado a lado. Seu último afresco “O juízo Final” pode ser considerado sua obra mais maneirista.

 

O Juízo final de Michelangelo.

Mas o maneirismo em sua forma genuína só apareceu com Pontormo e Rosso, ambos discípulos de Andrea Del Sarto. Esses sim, foram os primeiros representantes inequívocos desse novo estilo. Andrea é considerado da alta renascença, possuía grande influência de Leonardo, sobretudo na questão do esfumato, característica que Pontormo também adotou, assim como seu discípulo Bronzino. Eles aderiram ao esfumato no desenho, mas suas pinturas possuíam algo a mais. Uma sensualidade exagerada, um gosto pelo assimétrico e pela extravagância.  Pontormo foi o artista que mais exerceu um papel decisivo na formatação desse novo estilo. Sua primeira obra importante a “visitação” é datada de 1514-16, representa seu primeiro êxito completo. Essa obra ainda possui um ritmo relaxado, pouco exagerado, ainda sobre influência de Andrea, embora já possua uma certa tensão no olhar das figuras.

a visitacao

a visitacao de Pontormo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: